Ciencia

Pesquisadores desenvolvem tecnologia para diagnóstico de Alzheimer

UFSCar

Atualmente não existe cura para a doença de Alzheimer e seu diagnóstico ainda é de difícil obtenção. Entretanto, quanto mais precoce for a descoberta, mais opções terapêuticas e intervenções são oferecidas ao paciente podendo, inclusive, retardar o avanço da doença. Pensando nisso, os pesquisadores dos Departamentos de Química (DQ) e de Gerontologia (DGero) da UFSCar, Ronaldo Censi Faria, Márcia Regina Cominetti, Tássia Regina de Oliveira, Camila Regina Erbereli e Patricia Regina Manzine Moralles, desenvolveram uma tecnologia com nova molécula biomarcadora – o ADAM10 – que permite o diagnóstico do Alzheimer em um simples exame de sangue, diferente de outras opções disponíveis que envolvem exames invasivos e com custo elevado.

A patente intitulada “Dispositivo para detecção do biomarcador ADAM10 para o diagnóstico da Doença de Alzheimer, método de aplicação do referido dispositivo, uso do dito dispositivo para diagnóstico da Doença de Alzheimer, método de aplicação de Elisa para diagnóstico da Doença” utiliza amostras de sangue que permitem diferenciar idosos saudáveis e doentes ou com predisposição ao Alzheimer, além de detectar diferentes estágios da doença – do transtorno neurocognitivo leve ao estágio mais avançado.

screenshot_6

Deja tu comentario

Comentarios